PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
7 de Junho de 2018 | Notícias

Centrais sindicais aprovam documento com propostas para o Brasil

Fotos: Roberto Parizzoti 

Os metalúrgicos do ABC participaram ontem do lançamento da “Agenda Prioritá- ria da Classe Trabalhadora”. O documento tem 22 propostas para o desenvolvimento do Brasil e é assinado pela CUT, com as centrais sindicais CSB, CTB, Força Sindical, Intersindical, Nova Central e UGT.

Os dirigentes aprovaram o documento em ato no Sindicato dos Químicos de São Paulo, além de definirem o dia 10 de agosto como o Dia Nacional de Luta em Defesa do Emprego e do Desenvolvimento do Brasil.

A iniciativa das centrais sindicais é uma plataforma de crescimento para dialogar com a sociedade. Nós temos compromisso com os trabalhadores e com o País”, afirmou o presidente da CUT, Vagner Freitas.

“O Brasil está enfiado na maior crise da história, com 28 milhões de desempregados porque o governo golpista não tem um projeto nacional de desenvolvimento. São entreguistas que querem vender as empresas nacionais, acabar com a soberania nacional e a participação social”, denunciou.

O presidente da CUT ressaltou a importância do documento conjunto das centrais em ano de eleição, no combate ao golpe e na luta por Lula Livre.

“Lula está preso sem nenhuma prova porque é candidato a presidente para fazer o debate na sociedade sobre a entrega das riquezas ao capital internacional. Lula é o antídoto que nós temos e o direito de Lula Livre tem a ver com a pauta dos trabalhadores, significa revogar a reforma Trabalhista, defender a soberania nacional, a reforma agrária e tributária”, disse.

As propostas em defesa do emprego, democracia, soberania e desenvolvimento com justiça social serão apresentadas aos trabalhadores nas fábricas, entidades da sociedade, aos candidatos à Presidência da República com compromisso democrá- tico, ao Congresso e a líderes de partidos.

Confira os 22 pontos da Agenda Prioritária

1. Criar políticas imediatas para enfrentar o desemprego e o subemprego crescentes, que já atingem 28 milhões de trabalhadores: a. Criar frentes de trabalho como medida emergencial, com atenção especial para os jovens; b. Retomar as obras de infraestrutura; c. Políticas de amparo aos desempregados: aumento das parcelas do seguro-desemprego, vale-transporte para o desempregado, vale-gás e subsídio de energia elétrica.

2. Democratizar o sistema de relações de trabalho, com autonomia sindical, visando incentivar as negociações coletivas.

3. Regular o direito de negociação coletiva aos servidores públicos.

4. Renovar, para o próximo quadriênio, a política de valorização do salário mínimo.

5. Definir a jornada de trabalho em 40 horas semanais.

6. Revogar todos os aspectos negativos da reforma Trabalhista e da Lei da Terceirização, que precarizam os contratos e as condições de trabalho.

7. Combater a informalidade, a rotatividade, o trabalho análogo ao escravo e eliminar o trabalho infantil.

8. Garantir proteção trabalhista para os impactos das transformações tecnológicas e econômicas.

9. Assegurar o direito e o acesso ao Sistema Público de Seguridade e Previdência Social.

10. Revogar a Emenda Constitucional 95/2016, que congela os gastos públicos por 20 anos, e criar uma norma coerente com o papel do Estado no desenvolvimento do País.

11. Promover a reforma tributária.

12. Reestruturar, fortalecer e ampliar o Sistema Público de Emprego voltado para a proteção do emprego.

13. Universalizar o acesso à educação de qualidade.

14. Fortalecer o Sistema Único de Saúde.

15. Promover uma política de desenvolvimento produtivo sustentável, com enfoque em geração de emprego de qualidade e com relações de trabalho democráticas.

16. Fortalecer a engenharia nacional e reorganizar o setor da construção.

17. Garantir às micro, pequenas, médias empresas e à economia solidária e popular acesso ao sistema de inovação tecnológica e ao crédito.

18. Fortalecer o papel estratégico das empresas públicas (sistema Eletrobras, Petrobras, bancos públicos) para a promoção e sustentação do desenvolvimento econômico e social.

19. Investir e ampliar o sistema de ciência, tecnologia e inovação.

20. Fortalecer e ampliar as políticas sociais de combate à pobreza, miséria, redução da desigualdade social e de renda.

21. Fortalecer as políticas voltadas para a Agricultura Familiar e a reforma Agrária.

22. Ampliar e efetivar políticas, programas e ações para promover a igualdade para mulheres, negros, jovens, LGBTQI e migrantes.

Confíra o documento na íntegra: http://www.smabc.org.br/smabc/materia.asp?id_CON=41048&id_SEC=12

 

Da Redação

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: