PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
3 de Agosto de 2018 | Notícias

FEM-CUT quer cláusula para barrar contratos intermitentes

Foto: Adonis Guerra

Os debates da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT, FEM-CUT, com a ban­cada patronal do G3 sobre as cláusulas sociais se intensifica­ram ontem, durante a reunião realizada na sede da Federação, em São Bernardo. O destaque ficou por conta da discussão sobre o trabalho intermitente, agora previsto em lei com a reforma Trabalhista. Ponto crucial que os representantes dos trabalhadores pretendem barrar.

“Ficou evidente o desejo do sindicato patronal de ter garantida na Convenção Cole­tiva a utilização do mecanismo do trabalho intermitente, que representa o fim de tudo o que temos hoje. Eles questio­nam se esse tipo de contrato pode ser implantado na área administrativa. Mas, uma vez isso implantado, ele se alastra para qualquer outra área na empresa”, alertou o presidente da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT, FEM-CUT, Luiz Carlos da Silva Dias, Luizão.

O dirigente reforçou que a Federação vai lutar para impe­dir isso. “Quem trabalha nessas condições não vai conhecer as regras porque não consegue nem ter acesso ao seu sindicato, não sabe quanto tempo vai tra­balhar, qual será seu salário, em qual dia da semana e em qual horário vai trabalhar. É uma condição que, embora esteja na reforma, nós não podemos permitir de maneira nenhuma. Vamos orientar nossos sindica­tos para que produzam acordos coletivos que não permitam esse tipo de contratação”.

Para dar prosseguimento às ne­gociações, a FEM-CUT concor­dou em retirar algumas cláusu­las da Convenção Coletiva, hoje melhor estabelecidas em lei ou em norma regulamentadora.

“Para mostrar que não somos intransigentes, concordamos em retirar alguns itens. Exem­plos são a regra do aviso prévio que tem uma condição muito melhor hoje, a atualização da carteira profissional e o cum­primento da lei de prensa, que a Norma Regulamentadora 12 já trata. Agora, itens que pre­enchem lacunas do direito ou que garantem coisas acima da lei, nós não vamos abrir mão”, concluiu.

 Da Redação. 

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: