PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
13 de Março de 2019 | Notícias

Trabalhadores na Ford aprovam luta permanente em defesa dos empregos

Fotos: Adonis Guerra

Os trabalhadores na Ford, em São Bernardo, aprovaram em assembleia ontem a luta permanente em defesa dos empregos, com participação no processo de negociação com possíveis interessados em comprar a montadora. Não houve produção ontem. Os encaminhamentos da luta serão feitos a cada dia pela representação dos trabalhadores na fábrica.

A decisão foi tomada após o relato dos dirigentes do Sindicato sobre as reuniões com a matriz da Ford nos Estados Unidos, no último dia 7.

O coordenador-geral da representação na Ford, José Quixabeira de Anchieta, o Paraíba, contou que o Sindicato reforçou para a matriz todos os argumentos para manter a planta de São Bernardo.

“Colocamos tudo para eles, os acordos que o Sindicato já realizou, a versatilidade da mão de obra, o quanto essa fábrica é moderna, o nível de automação, o acordo de fusão único em que os trabalhadores atuam tanto na linha de carro quanto na de caminhões. Além disso, ressaltamos o impacto social que seria a decisão de fechar a fábrica e o quanto a marca perderia se a decisão continuasse”, afirmou.

“Mas a resposta que tivemos foi que a empresa não recuará da decisão de fechar a fábrica. Nós também não desistiremos da decisão de lutar pela fábrica”, prosseguiu.

O presidente do Instituto Trabalho, Indústria e Desenvolvimento, o TID-Brasil, ex-presidente do Sindicato e CSE na Ford, Rafael Marques, criticou a postura da montadora, que se beneficiou de incentivos no país para, em seguida, anunciar o fechamento da planta.

“Em cinco anos a Ford ganhou de benefício o equivalente ao seu faturamento de um ano. Como a empresa que ganha de benefício um faturamento nacional a mais toma uma decisão dessa natureza, com esse impacto social?”, questionou.

“A direção não tinha resposta aos argumentos que apresentamos. Ficou claro que eles cometeram erros de estratégia. Não podemos concordar com a decisão da empresa. Essa reunião nos Estados Unidos foi só uma etapa de nossa luta. Vamos manter a cabeça erguida e continuar batalhando”, chamou.

Na reunião com a matriz, os diretores da Ford confirmaram que há três interessados no processo de compra da fábrica. O Sindicato pediu e conquistou espaço na mesa de negociação para acompanhar o processo.

O presidente do Sindicato, Wagner Santana, o Wagnão, defendeu a participação dos metalúrgicos em um possível acordo de compra da Ford.

“O patrão vai, mas os empregos ficam. Esse é o nosso lema. Não importa quem é o patrão. Se esse patrão desistiu, nós não desistimos”, afirmou.

“A garantia de que os empregos estarão protegidos nesse acordo se dará por conta da luta e da determinação de cada um. A luta é de toda a categoria e do país. E não é só em solidariedade, é pela sobrevivência dos empregos e da indústria no Brasil”, concluiu.

 Da Redação

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: