PESQUISA / SUGESTÕES
RECEBA INFORMAÇÕES
5 de Junho de 2019 | Notícias

Trabalhadores na base aprovam mobilização contra a reforma da Previdência

Participação na Greve Geral do dia 14 de junho foi aprovada em assembleias na Usimatic, Rassini e Metalpart

Mobilizados contra a reforma da Previdência, os trabalhadores na Usimatic e na Rassini, em São Bernardo, e na Metalpart, em Diadema, aprovaram a participação na Greve Geral no dia 14 de junho, convocada pela CUT e demais centrais sindicais.

Nas assembleias, os dirigentes explicaram os pontos da proposta de Bolsonaro, que acabam com o Sistema de Seguridade Social e com o direito à aposentadoria dos brasileiros.

Rassini

Na Rassini, o coordenador de São Bernardo, Genildo Dias Pereira, o Gaúcho, explicou que o Sindicato tem feito uma série de assembleias para tratar sobre a Previdência.

“É sempre importante dialogar e informar o risco que os trabalhadores brasileiros estão correndo neste momento. Assim como o governo e a imprensa comercial não tiveram coragem de se retratar com a população por terem dito que a reforma Trabalhista geraria milhões de empregos e o que vemos hoje é o aumento do desemprego, a reforma da Previdência é tratada da mesma forma”, afirmou.

“É com essa omissão que não mostram que a proposta não é uma reforma, é o fim da aposentadoria dos brasileiros”, alertou.  “Nós metalúrgicos não vamos nos calar diante de tamanha atrocidade contra a população. Dia 14 de junho é Greve Geral. O compromisso é lutar agora. Caso contrário, é trabalhar até morrer”, chamou.

Foto: Raquel Camargo

Usimatic

Na Usimatic, o coordenador de área, Jonas Brito, explicou os pontos cruciais da reforma da Previdência na vida das pessoas.

“São temas que vão prejudicar muito, como a redução drástica no valor do benefício, as mudanças no cálculo e a perda no poder de compra dos aposentados. Por isso, é fundamental a adesão à Greve Geral do dia 14 de junho”, afirmou.

Também falaram sobre a importância da Campanha de Sindicalização. “Não só pelos benefícios e convênios, mas principalmente na defesa dos direitos e a conquista da Convenção Coletiva de Trabalho”, disse.

Os trabalhadores também aprovaram a pauta de reivindicação de assuntos internos.

Fotos: Adonis Guerra

Metalpart

Na Metalpart, o coordenador de área, Antônio Claudiano da Silva, o Da Lua, reforçou os pontos da reforma da Previdência, entre elas a aposentadoria especial.

“Hoje quem trabalha 25 anos em local insalubre consegue se aposentar. Com a reforma terá que trabalhar pelo menos até 55 anos de idade, com valor de benefício muito rebaixado, que partiria de 70%, não mais de 100%. Isso representa praticamente o fim da aposentadoria especial”, ressaltou.

Outro tema crítico é a capitalização, que é a privatização da Previdência. “A capitalização não traz segurança para o trabalhador. Quem se acidenta hoje vai para o INSS. Na capitalização, o valor já vai ser descontado da sua poupança individual. E esse valor, que vai ser a sua aposentadoria, acaba”, disse.  

Os trabalhadores também aprovaram o acordo de Participação nos Lucros e Resultados, válido por dois anos. A primeira parcela será paga em julho e a segunda, em março.

O CSE na Metalpart, Reijanio Alfredo Pacheco, o Pacheco, reforçou a importância de ficar sócio do Sindicato e estar juntos na luta.

“Conquistamos um aumento significativo, acima da inflação, em relação ao ano passado. A participação dos trabalhadores foi muito importante em reuniões no Sindicato para construir a proposta e mostrar a unidade”, disse.

Os trabalhadores também aprovaram a contribuição negocial na assembleia. Quem ficar sócio do Sindicato até 30 de junho será isento do pagamento da contribuição negocial.

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: