PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
5 de Setembro de 2019 | Notícias

Memória: Intervenção ditatorial e plenária histórica marcam luta em 1994

Após assembleia com 30 mil trabalhadores na Sede do Sindicato, metalúrgicos em greve por reposição salarial marcham em direção ao Paço Municipal de São Bernardo

O fim da URV – moeda provisória – e a entrada do Real em 1994 traziam preocupações: determinava que não poderia mais ter repasse da inflação aos salários, exceto às categorias que estivessem em data-base.

Para os metalúrgicos valia o que estava escrito no acordo da Câmara Setorial, que garantia aos salários reposição automática da taxa de inflação do mês anterior. Mas a taxa de junho foi assustadora: 6,08%, e os patrões insistiam que o acordo não tinha mais validade.

Trinta e cinco mil metalúrgicos na Volks e Ford foram às ruas. Batendo todos os meses os recordes de produção, as montadoras sentiram que não poderiam arriscar. Em setembro, quando os metalúrgicos se reuniram no Sindicato para decretar a greve, elas decidiram apresentar proposta de reposição salarial.

Só que o governo resolveu intervir nas negociações e desfez o acordo. Já com 11,87% de inflação acumulada nos meses de julho e agosto, a categoria viu-se obrigada a ir à greve. No ABC o movimento começou em 12 de setembro com 65.754 trabalhadores de braços cruzados em 23 fábricas.

No dia 13, a Sede do Sindicato servia de palco para uma grande assembleia: 30 mil metalúrgicos saíram em passeata até o Paço Municipal explicando à população o caráter do movimento. Nesse dia, 70 mil trabalhadores estavam parados.

A intervenção do governo, feita de forma jamais vista até no regime militar, provocou o repúdio ao ponto de levarem as centrais a abandonarem suas divergências para se unirem em um ato de protesto.

A plenária repercutiu e o governo anunciou afastamento. A greve nas montadoras acabou no dia 18 daquele mês após acordo. Nos demais setores, a paralisação prosseguiu com negociações por empresa e o Sindicato garantiu a reposição em forma de abono para a maioria dos trabalhadores.

Leia matéria completa em https://bit.ly/2kisM3i.

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: