PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
6 de Setembro de 2019 | Notícias

25º Grito dos Excluídos: 7 de setembro é dia de ir às ruas

Trabalhadores, estudantes e movimentos sociais gritarão contra a desigualdade, por democracia, soberania e educação, em defesa da Amazônia, da aposentadoria e direitos

Neste 7 de setembro, a classe trabalhadora, convocada pela CUT e outras centrais, vai se juntar as mobilizações do 25º Grito dos Excluídos “Vida em primeiro lugar! Este sistema não vale: Lutamos por justiça, direitos e liberdade” que acontece em mais de 150 cidades em todos os estados brasileiros. Em São Paulo a concentração será a partir das 9h na Praça Oswaldo Cruz, Paraíso, no começo da Avenida Paulista.

O Grito dos Excluídos denuncia o agravamento da desigualdade social, a destruição do meio ambiente, cortes de recursos na educação e áreas sociais, entrega do patrimônio público, escalada do desemprego, retirada de direitos e paralisação da economia.

A mobilização também critica a reforma da Previdência, mais um ataque deste governo à classe trabalhadora. “Estamos unidos em uma agenda de mobilizações para derrotar este projeto de reforma da Previdência que está tramitando no Senado nas ruas e no Congresso Nacional. Vamos nos somar ao Grito dos Excluídos porque entendemos que a luta nas ruas também é fundamental”, disse o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

Para o dirigente, lutar pela soberania e direitos no Dia da Independência do país é muito simbólico e fundamental para denunciar este governo que bate continência para a bandeira americana e destrói a vida dos que vivem no país.

“Nunca foi tão escandalosa a subordinação do Brasil como agora com um presidente que bate continência para a bandeira americana e representa a subordinação aos interesses dos Estados Unidos e isso não é bom para nenhum brasileiro, principalmente os excluídos de emprego, de direitos e das riquezas deste país”, ressaltou.

Na avaliação dele, o Brasil tem que ser inserido na globalização de forma autônoma, com desenvolvimento social e econômico justo e, para isso, é preciso continuar na luta tanto no dia 7 quanto no dia 20, dia nacional de luta.

“Os sindicatos filiados à CUT e a esquerda brasileira precisam ir para as ruas no dia 7 para mostrarmos que o Brasil é uma grande nação independente e também para preparar e fortalecer a mobilização nacional em defesa da educação, do patrimônio público, da Amazônia e do emprego no dia 20 de setembro, também em todo país”, concluiu.

#Dia7EuVoudePreto

Os estudantes, que confirmaram que vão de roupas pretas e rostos pintados de verde-amarelo, vão protestar contra o desmonte da educação pública e contra a destruição da Amazônia. Segundo a União Nacional dos Estudantes (UNE), a ideia é manifestar “luto” em relação às políticas do governo, sem abandonar as cores da bandeira nacional, mas protestando contra fala de Bolsonaro que pediu para todos se vestirem de verde e amarelo no dia 7.

As frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, formadas por mais de 100 movimentos sociais, também estarão nas ruas.

Reforma da Previdência

A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado aprovou o relatório da reforma da Previdência na quarta-feira, dia 4. O texto segue para votação em plenário, onde o presidente, Davi Alcolumbre, quer que a análise seja concluída até o início de outubro.

No plenário, a proposta precisa de ao menos 49 dos 81 votos. Se aprovada, segue para sanção presidencial.  

As principais maldades seguem no texto, com idade mínima para aposentadoria de 65 anos (homens) e 62 (mulheres) e rebaixamento do valor do benefício com a mudança na fórmula do cálculo.

Na tentativa de acelerar a tramitação da proposta e evitar que o texto voltasse à Câmara, onde já foi aprovado em julho, o relator na CCJ, Tasso Jereissati, propôs uma PEC Paralela com mudanças em itens como pensão por morte, aposentadoria por incapacidade permanente, inclusão de estados e municípios, entre outros. Essa PEC Paralela aprovada na CCJ será lida em plenário, quando poderá receber emendas.

 

Com informações da CUT

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: