PESQUISA / SUGEST�ES
RECEBA INFORMAÇÕES
28 de Novembro de 2019 | Notícias

Direção Plena encerra mês na Consciência Negra com debate sobre situação dos negros no Brasil

A atividade contou com vivência sobre compra e venda de escravos, estudo sobre mercado de trabalho feito pelo Dieese e apresentação musical

Foto: Adonis Guerra

Para fechar o mês da Consciência Negra, a reunião da Direção Plena dos Metalúrgicos do ABC, realizada na manhã de ontem no Sindicato, teve como tema ‘A luta é por igualdade, respeito e pela vida’. Na abertura, crianças e adolescentes que integram o Centro Cultural Afro Brasileiro Francisco Solano Trindade fizeram uma apresentação musical com canções relacionadas à temática.

Na sequência, os metalúrgicos e metalúrgicas participaram de uma vivência, organizada pelo departamento de Formação. Divididos em dois grupos, um representando os brancos e o outro, os escravos, fizeram uma viagem no tempo, até 1831 quando foi promulgada a lei de proibição do tráfico de escravos para o Brasil. Os participantes simularam a compra e venda de escravos.

A proposta da atividade foi promover a reflexão sobre o que ocorria à época. Após a vivência, os companheiros e companheiros conversaram sobre a experiência e o departamento de formação trouxe informações mais aprofundadas sobre o que resultou hoje na naturalização da desigualdade e da violência.

A atividade seguiu com um estudo realizado pela subseção do Dieese sobre as diferenças de negros e brancos no mercado de trabalho, passando por escolaridade, oportunidades, salários e gênero. De acordo com o levantamento, 70% das pessoas que vivem em situação de extrema pobreza no país são negras. Outro dado importante aponta que dos jovens que não estudam nem trabalham, 19% são brancos e 26%, negros.

“Estamos vendo o que sofre a população negra, mas dentro da nossa própria categoria há pessoas que não conseguem enxergar. Precisamos debater, pois muitas vezes o racismo está acontecendo do nosso lado e alguns não percebem. Esse dia de formação nos ajuda a identificar qualquer tipo de racismo e saber como continuar as transformações tão necessárias”, destacou o coordenador da Comissão de Igualdade Racial e Combate ao Racismo dos Metalúrgicos do ABC, Carlos Alberto Queiroz Rita, o Somália.

00
comentários para esta matériaCOMENTAR
Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Rua João Basso, 231 - CEP 09721-100
Centro - São Bernardo do Campo/SP
TRIBUNA METALÚRGICA


VEJA TODAS AS EDIÇÕES
Buscar por Nº: